sexta-feira, 28 de março de 2014

Entre Aerosmith e AC/DC


Há tempos Karen não saía para se divertir, e justamente hoje seu melhor amigo tinha a chamado para ir à algum lugar, e a escolha seria o mesmo barzinho de sempre, com a habitual trilha sonora entre Aerosmith e AC/DC. Ela sabia que era bonita e gostava que os olhares se dirigissem a ela, por isso colocou seu melhor vestido, o coturno preferido e passou o batom mais vermelho que tinha. Felipe não se atrasou ao pega-la em casa, e não hesitou em dizer como ela estava linda – Karen apenas sorriu e disse que ele não estava nada mal também e ficaram rindo e contando piadas, eram amigos de anos e anos já. Chegaram ao conhecido pub, se sentaram à mesa que mais lhes era confortável e começaram a conversar – os dois adoravam falar sobre o universo, filósofos, um pouco de nada e chegar a conclusão nenhuma também, contanto que o copo estive cheio. Karen queria extravasar ao máximo essa noite e apenas sussurrou para Felipe “não me deixe fazer nenhuma besteira hoje à noite” Felipe sorriu – já havia visto Karen algumas vezes passando mal depois de beber ou pulando feito louca e cantando sem parar – falou que sim, ele seria o sóbrio da noite, alguém tinha que voltar dirigindo e entre copos de cerveja e doses de uísque a conversa e a noite iam passando. Karen já estava meia tropeça quando decidiram ir embora às 03hrs da manhã, Felipe não estava totalmente são, mas podia andar em linha reta e dirigir muito bem. Voltando para casa cantando Beatles o mais alto que podiam, Karen sentiu algo diferente – quando avistou a primeira rua que virava à esquerda, sem aviso prévio virou o volante. “Você ta louca Karen?” perguntou Felipe. “Pare o carro” disse ela com os lábios amortecidos, quando já estavam longe da pista e embaixo de um poste com lâmpada queimada. Ela conhecia aquela rua e sabia que ninguém passaria ali, nem policiais, nem bandidos, nem ninguém. “O que foi? Ta passando mal?” perguntou Felipe. Karen negou com a cabeça e sorriu, abaixou o volume do rádio e encarou Felipe e assim que o olhar de ambos se encontraram Karen avançou e o beijou, era um beijo doce com um gostinho de uísque. Felipe era quente, mas ela já sabia disso. Karen avançou querendo ir para cima de Felipe, mas ele recuou e se soltou dela, “você pediu para que não deixasse você fazer nenhuma bestei...”, Karen fez “xiiu” com os lábios, “eu sei o que eu disse” e voltou ao beija-lo. Desta vez não houve protesto, Felipe também queria aquilo mais que nada no mundo. Karen foi para cima dele e assim que seus quadris se encontraram ela soltou em leve gemido. O carro não era tão grande, mas eles faziam o melhor que podiam. Felipe delineou o pescoço dela com os lábios até chegar na clavícula e Karen abriu o zíper dele. Eles formavam uma bela dupla e pouco a pouco iam se transformando em um, o movimento era contínuo e ambos sabiam o que fazer para satisfazer um ao outro. Karen já estava cansada quando ambos chegaram ao ápice do prazer, ela sorriu e repousou a cabeça no ombro dele. “Você é louca” disse Felipe ofegante, e ela sabia disso. Olharam no relógio e já eram 05hrs da manhã, se arrumaram e Felipe dirigiu para a casa dele, o melhor de se ter um bom emprego e um bom diploma, é conseguir se sustentar sozinho. Karen entrou no apartamento dele, encontrou sua blusa jogada, havia esquecido na última visita, tirou o vestido, a lingerie e caiu na cama, Felipe não demorou para fazer o mesmo, se abraçaram e dormiram como tantas vezes haviam feito antes – eram amigos, amantes e namorados. 

Raphaela Barreto

4 comentários:

  1. Gostei do conto. Ficou excelente. Um romance bem realista.

    M&N | Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista

    ResponderExcluir
  2. Quando penso que já não me consegues surpreender mais, lanças textos ainda melhores. Uma pessoa fica abismada com a qualidade e talento sucessiva que vais apresentando. Muitos parabéns, só espero que este blogue tenha cada vez mais sucesso :)

    http://ummarderecordacoes.blogs.sapo.pt/

    ResponderExcluir
  3. __ “você pediu para que não deixasse você fazer nenhuma bestei...”Uauaau q lindo, q maravilhoso, adoro este tipo de leitura, vou vaijaaaando, imaginando, sonhaaaando, deliraaaaaando, uma delicia, quentinho, juntinho e no carro, nosssa como é bom, um mimo, uma sensualidade ao ponto achoq a guria merece beijinhos e beijinhossssssssssssssss

    ResponderExcluir