segunda-feira, 24 de dezembro de 2018

Retrospectiva 2018


O ano está logo acabando, as festas já estão marcadas e o planejamento já está sendo feito para 2019. E para não deixar passar tudo em branco aqui no My Life, separei uma retrospectiva bem bacana dos três posts mais lidos desse ano. Então bora lembrar e reler? 

1º - City Pass Chicago - Parte 2/2 - Com 117 visualizações, esse post é o primeiro da lista. Apesar da viagem ter sido em Dezembro, o texto só veio em Janeiro e conta minha aventura pelas ruas frias e agitadas de Chicago, como por exemplo minha ida ao Navy Pier e ao 360 Chicago. Clique aqui para relembrar.





2º - Entrevista com Bianca Ribeiro, Autora de Cruel - Com 114 visualizações, a Autoria Bianca Ribeiro aparece aqui na retrospectiva. Foi incrível a entrevista com ela e me motivou bastante a  publicar meu próprio livro no Wattpad. Bianca é a autora de "Cruel" que hoje já possui livro físico e e-book na Amazon. Clique aqui para relembrar.






3º - City Pass Chicago - Parte 1/2 - E para finalizar, com 100 visualizações está a parte um da minha aventura em Chicago, contando as peripécias no Millenium Park, Shedd Aquarium, Planetário, The Field Museum e para encerrar a noite na Willis Tower. Clique aqui para relembrar.






Este ano foi cheio de realizações, aventuras e desafios. Lágrimas foram derramadas, mas muitos sorrisos foram dados também. Obrigada a todos que estão sempre aqui no My Life acompanhando e espero continuar com todos aqui no próximo ano também. Vocês já fizeram sua retrospectiva? Se sim, passa o link aqui para eu conferir também e se ainda não, o que está esperando? 

Desejo a todos um Feliz Natal e um Próspero Ano Novo! 


quarta-feira, 12 de dezembro de 2018

Quem sou



Não me prendo a nada que me defina. Sou companhia, mas posso ser solidão. Tranquilidade e inconstância, pedra e coração. Sou abraços, sorrisos, ânimo, bom humor, sarcasmo, preguiça e sono. Música alta e silêncio. Serei o que você quiser, mas só quando eu quiser. Não me limito, não sou cruel comigo! Serei sempre apego pelo que vale a pena e desapego pelo que não quer valer… Suponho que me entender não é uma questão de inteligência e sim de sentir, de entrar em contato. Ou toca, ou não toca.
É curioso não saber dizer quem sou. Quer dizer, sei-o bem, mas não posso dizer. Sobretudo tenho medo de dizer porque no momento em que tento falar não só não exprimo o que sinto como o que sinto se transforma lentamente no que eu digo.

 – Clarice Lispector
Uma das minhes escritoras favoritas.

quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

Presente

"[...] Porque não vivo nem no meu passado, nem no meu futuro. Tenho apenas o presente, e ele é o que me interessa. Se você puder permanecer sempre no presente, então será um homem feliz".

–  Paulo Coelho,
O Alquimista.

sexta-feira, 30 de novembro de 2018

Café

“Antes que a tarde amanheça
e a noite vire dia
põe poesia no café
e café na poesia.”
 
— 
Paulo Leminski


Aproveitando pessoal, uma amiga minha acabou de criar um blog e convido todos a conhecerem seus posts e darem as boas vindas, My feelings - Mah .

 

terça-feira, 20 de novembro de 2018

A Alma do Mundo


“[...] Em certas reencarnações, nós nos dividimos. Assim como os cristais, e as estrelas, assim como as células e as plantas, também nossas almas se dividem. A nossa alma se tranforma em duas, estas novas almas se transformam em outras duas, e assim, em algumas gerações, estamos espalhados por boa parte da Terra. [...]. Fazemos parte do que os alquimistas chamam de [...] Alma do Mundo. Na verdade, se a Alma do Mundo fosse apenas se dividir, ela estaria crescendo, mas também ficando cada vez mais fraca. Por isso, assim como nos dividimos, também nos reencontramos. E este reencontro chama-se Amor. Em cada vida temos uma misteriosa obrigação de reencontrar pelo menos uma dessas Outras Partes [...]. Era possível conhecer a Outra Parte pelo brilho nos olhos – assim, desde o início dos tempos, as pessoas reconheciam seu verdadeiro amor. [...]. Podemos encontrar mais de uma Outra Parte em cada vida e quando isto acontece, o coração fica dividido e o resultado é dor e sofrimento. Podemos encontrar três ou quatro Outras Partes, porque somos muitos e estamos espalhados. [...]. A essência da Criação é uma só, e esta essência chama-se Amor. [...]. somos responsáveis por reunir de volta, pelo menos uma vez em cada encarnação, a Outra Parte que com certeza irá cruzar o nosso caminho. Mesmo que seja por instantes, apenas; porque esses instantes trazem um Amor tão intenso que justifica o resto de nossos dias.”

Brida – Paulo Coelho.
Pág. 44.

sexta-feira, 16 de novembro de 2018

Natureza



Gosto do vento passando por mim, da forma como as borboletas voam e os pássaros cantam. Gosto de observar o sol nascer e se pôr, a coloração do céu, as formas das nuvens. Gosto de admirar os animais, ouvir o barulho dos rios, sentir cheiro da grama cortada e a terra molhada. Estremeço ao ouvir um trovão, durmo tranquila em uma tempestade, sorrio quando o céu está azul. O universo é perfeito. Gosto da natureza porque ela me faz bem. Gosto da natureza porque eu também sou ela. 

Raphaela Barreto


domingo, 11 de novembro de 2018

Importante para a vida



“[...] Mas o coração é um mistério, e eu jamais vou entender o que aconteceu. O que sei é que aquele encontro me deixou mais confiante em mim mesma, mostrando que eu ainda era capaz de amar e ser amada, e me ensinado algo que nunca vou esquecer: quando você encontrar uma coisa importante na vida, não quer dizer que precise renunciar a todas as outras.

Brida - Paulo Coelho.

sábado, 10 de novembro de 2018

domingo, 4 de novembro de 2018

É tudo cópia da cópia



Ela era mais uma dessas que usava camiseta de banda só porque estava "na moda", nem sequer conhecia, apenas usava. Ela era mais uma dessas que ia se sentar na calçada para ver as pessoas que passavam para dizer "nossa que cabelo horrível e que barriga é essa", mas parecia não se lembrar que já estava usando calças tamanho 42. Ela era mais uma dessas, que tinha que ter aquele anel igual à vilã da novela das oito. Ela era mais uma dessas que era demasiado simpática com todos, pois, gostava de ser adorada. Ela era mais uma dessas que não podia se ver sozinha, sempre estava de namorado novo, mas se aquela lá, aquela ruiva do trabalho fosse vista com outro cara, "nossa que puta", ela diria. Ela era mais uma dessas que sentia pena das crianças de rua, mas o armário transbordava de roupas (ainda com etiquetas) que nunca seriam usadas. Ela era mais uma dessas que se dizia sem preconceitos, mas não beijava negros e homossexuais eram criaturas abomináveis. Ela era mais uma dessas que estava todo domingo na igreja e toda sexta naquele barzinho fazendo fofoca de todos que conhecia. Ela era mais uma dessas que tratava o corpo e esquecia-se do cérebro. Enfim, ela era mais uma dessas, sabe? Mais uma dessas que se dizia diferente.


do blog Café e Ócio

segunda-feira, 29 de outubro de 2018

Imaginação


“Não há nada que possamos imaginar de tão confuso, tão desordenado ou tão monstruoso com que não possamos sonhar”
 
 - A Interpretação dos Sonhos.
Freud.
 

segunda-feira, 22 de outubro de 2018

Velhos momentos

Ela viu,
Lembrou,
De quando era pequena
Sem muitos problemas
E só queria brincar.
Lembrou das amigas,
Da bagunça no quarto,
As bonecas vestidas,
Perfeitas,
Eram barbies.
Teve vontade de chorar,
Aquele tempo jamais iria voltar.
O tempo da diversão,
Dos pés sujos,
Das brincadeiras nas ruas.
Segurou as lágrimas
Com saudade
Percebendo que a melhor coisa
Do mundo
Era ser criança.
Engraçado, pensou ela
Crianças querem crescer,
E adultos querem ser crianças.
Então deixou o corredor das bonecas,
Pensando,
Com saudade
Do tempo,
Dos velhos momentos. 
 

Raphaela Barreto
 
 

quinta-feira, 11 de outubro de 2018

Sonhos

 
“Sonhamos com aquilo que vimos, dissemos, desejamos ou fizemos”
 
– A Interpretação dos Sonhos, Freud.
 
 
 

sábado, 6 de outubro de 2018

Um pouquinho sobre a Romênia

Conhecida por ser a terra do Drácula e onde Carlinhos Weasley trabalhava com dragões, eu não sabia muito o que esperar quando viajei para a Romênia. Fui em meados de Maio a trabalho, o clima estava bom, não tão calor durante o dia e não tão frio durante a noite. Acabei visitando duas cidades: Timisoara e Arad, ambas muito parecidas, só que Arad mais nova e cuidada do que a outra.



Com o passar dos dias pude notar que um país tão distante do Brasil, também tinha algumas semelhanças. A Romênia também fazia parte do território pertencente ao Império Romano, logo sua língua é derivada do latim, assim como o português. Muitas palavras em lojas e restaurantes eram possíveis de entender e até uma ou duas durante uma conversa. Os gestos com as mãos, a fala alta, as risadas e piadas também fazem parte da cultura, assim como o gosto pela carne e cerveja.
Os prédios me lembravam a grande São Paulo e sua parte histórica, prédios estes que alguns estavam reformados e outros nem tantos. As calçadas também me faziam lembrar do Brasil, algumas árvores aqui e acolá, um matinho na guia, trânsito às sete horas da manhã e problemas políticos.



Para aqueles que me perguntarem o que achei, até ouso dizer que é uma parte do Brasil na Europa, só que somente com pessoas brancas e sempre bem vestidas.
Foi uma experiência totalmente diferente, nos Estados Unidos eu conseguia enxergar um padrão americano nas pessoas. Na Alemanha, quase todos brancos e loiros de semblante fechado e conversa baixa, mas na Romênia... era um festival de tamanhos, cores diferente de cabelo, maquiagem, roupas e sapatos. Há uma característica ali difícil de ser achada, não há um rosto padrão, assim como não há um no Brasil. E por fim, de todos os países que já conheci, ali foi o que mais me lembrou minha casa, mesmo não sendo, mesmo eu não querendo ali morar, mas eu até podia sentir uma familiaridade com o lugar.




segunda-feira, 24 de setembro de 2018

Um dia já não mais existirei

 
A partir do momento em que sonho ao dormir, me é impossível esquecer que existo, que um dia já não existirei.

Pierre Reverdy
Livro: Freud, a Interpretação dos Sonhos.
 

sábado, 8 de setembro de 2018

Como fazer um booktrailer (filmora)

Olá leitores e leitoras aqui do My Life. Chegou a sexta-feira das Citações do Wattpad, mas ao invés disso vamos falar sobre book trailer que é algo que dá um toque a mais no livro. 

Para fazer o book trailer do livro Italiana, utilizei o aplicativo Filmora, que pode ser baixado gratuitamente. É super simples de criar o vídeo, basta ter as fotos, clips e músicas que deseja e só arrastar na timeline.


O resultado obtido é muito bom e eu adorei trabalhar com essa ferramenta. 
É possível encontrar o aplicativo na play store também, porém para o computador possuí muito mais ferramentas de edição. É fácil e prático de montar o vídeo, e de forma bem intuitiva também.  
Confere aqui embaixo o resultado do meu primeiro book trailer: 


E se gostou do book trailer e ficou curioso pela história, basta clicar aqui pra ser redirecionado para o Wattpad.


quarta-feira, 5 de setembro de 2018

Cada fato que vivenciamos traz um aprendizado


“[...] É preciso sabedoria para conectar os acontecimentos da nossa vida com os nossos sentimentos. Cada fato que vivenciamos traz um aprendizado. Se nunca paramos para pensar e vamos adiante como se numa corrida, atingiremos o ponto de chegada exatamente como partimos. E viver é mais que isso, não acha?”

Anna Osta
Crescer na Terra do Nunca

sexta-feira, 31 de agosto de 2018

Ensinamentos para o futuro


“O paciente sempre tem razão. A doença não deve ser para ele um objeto de desprezo, mas, ao contrário, um adversário respeitável, uma parte do seu ser que tem boas razões de existir e que lhe deve permitir obter ensinamentos preciosos para o futuro”
Freud – A interpretação dos sonhos

 

terça-feira, 28 de agosto de 2018

Berlim: Campo de Concentração Sachsenhausen

Aproveitando o último post sobre a Segunda Guerra Mundial, vamos embarcar em minha última aventura em Berlim: Campo de Concentação Sachsenhausen. Quando decidi ir para Berlim, pesquisei se havia algum campo nas rodendezas e cerca de 40 minutos de viagem de trem me levaram até lá. Comprei um tour guiado com o Get Your Tour Guide, e super recomendo, uma guia canadense nos acompanhou informando e ensinando tudo e mais um pouco (há opções de tour em inglês e em espanhol).
O campo Sachesenhausen tinha como objetivo o trabalho forçado, e fizemos o mesmo caminho dos Judeus do centro de Berlim até o campo. Havia centenas e centenas de campos de concentração para trabalho forçado, mas apenas seis voltados para o extermínio, e talvez seja por isso que não senti aquele tal arrepio e lágrimas nos olhos que todos sentem quando visitam Auschwitz Birkenau. O clima é pesado, há algo na atmosfera difícil de explicar, mas não é como os relatos do maior campo de extermínio da história.  
 
"O trabalho liberta" - portão de entrada do campo.

Mas voltando a Sachsenhausen, o local virou um memorial e é aberto para visitação. Foi inaugurado em em 1936 primeiramente para prender os partidários contra a política do Führer, servindo mais tarde como campo de concentração de Judeus. O campo servia também de centro de treinamento para os oficiais da Gestapo, a polícia secreta da Alemanha.

O campo dispunha dos quartos dos prisioneiros que era basicamente um amontoado de camas, cozinha, enfermaria e mais tarde a câmara de gás. 
  
Entrada do campo. O relógio em cima da torre marca exatamente a hora que
os soviéticos chegaram e libertaram os Judeus.
 
Após o término da Guerra, os galpões foram destruídos (retângulos no chão), deixando somente dois quartos, a cozinha, a enfermaria e o que sobrou da câmara de gás, que foi praticamente destruída após bombardeios.
 
 























Quando perguntamos à guia sobre os némeros de cada Judeu e o pijama listrado, tivemos como resposta que era muito mais fácil exterminar um número, alguém que já não se parecia mais com um humano do que alguém saudável e em boa forma. Quando os Judeus chegavam nos campos, ocorria um processo de "descarecterização humana".

 
 

 
 A estátua representa dois Judeus verificando se o que está deitado (assassinado em câmara de gás) possuí algo de valor, antes de levá-lo para os fornos de cremação.
Os Judeus que faziam esse trabalho não podiam dizer nada aos demais, era proibido falar sobre as câmaras de gás. Estes "trabalhadores" frequentemente acabavam se suicidando.
 
 
 
Escombros das câmaras de gás.
 



Escombros dos fornos de cremação.
 
Fora a descaracterização humana dos Judeus, o governo investia em propagandas enganosas que aumentavam mais ainda o desgosto da população para com os Judeus. Era realmente uma lavagem cerebral. E o que muita gente não sabe hoje, é que no início da guerra, os Judeus tentaram migrar para outros países, mas seus vistos foram negados. A Austrália por exemplo, foi um país que disse que não tinham problemas raciais no país, e que não iriam ter. Parece que não houve só um culpado em tudo isso, não é? E toda essa situação de vistos negados, não lembram os refugiados das guerras atuais?
Para encerrar deixo as fotos abaixo, e digo que todos deveriam conhecer um campo de concentração. É um lembrete de que ponto a humanidade chegou e um memorial para aqueles que não devem ser nunca esquecidos.
 
 
 
Pedras para os judeus e politicos que foram exterminados. As flores murcham, mas as pedras aguentam o vento frio, o sol escaldante, a neve e as folhas de outono. O tempo pode passer, mas as pedras jamais se vão.