segunda-feira, 7 de abril de 2014

Rotina


Maria clara acordou cedo, escovou os dentes, tomou café e saiu de casa. Andou pelas mesmas ruas, viu as mesmas pessoas, chegou ao trabalho – fez as mesmas atividades, acabou o expediente voltou para casa, pelas mesmas ruas, com as mesmas pessoas. O marido estava dormindo no sofá, ela foi fazer jantar, arrumar a casa e assistir suas novelas. Enfim foi dormir.

Maria Clara acordou cedo novamente, escovou os dentes, tomou café e saiu de casa. Andou pelas mesmas ruas e viu as mesmas pessoas, de novo, chegou ao trabalho – fez as mesmas atividades de forma sistemática, depois do expediente voltou para casa, pelas mesmas ruas e com as mesmas pessoas, de novo. O marido havia decidido fazer a janta hoje, ela então foi arrumar a casa e depois foi assistir suas novelas como de costume. No mesmo horário foi dormir.

E a semana inteira foi assim. E os meses. E os anos.

Maria Clara em um dia de domingo, olhando a rua da janela de sua casa, percebeu que sem querer era escrava de sua própria rotina, fazia as mesmas coisas todos os dias, as mesmas coisas nos finais de semana, fazia a mesma coisa a vida inteira. E a vida passa, passa e não espera ninguém se livrar da rotina. É necessário algumas coisas todos os dias, mas sempre as mesmas, da mesma forma, cansa. Pena Maria Clara ter percebido isso no tratamento do câncer, com a idade avançada. Se culpou de não ter feito outras coisas, de outras formas. Se culpou de não ter vivido mais. A rotina é necessária, desde de que não vire um hábito.

O tema sugerido foi Rotina, pela Beatriz do blog Etc e tal. 
Todos nós temos uma rotina, mas para não surtar, temos que fazer algo diferente,
E para o final deste post quero acrescentar uma música conhecida:
 

 
 
Devia ter amado mais
Ter chorado mais
Ter visto o sol nascer
Devia ter arriscado mais
E até errado mais
Ter feito o que eu queria fazer

Queria ter aceitado
As pessoas como elas são
Cada um sabe a alegria
E a dor que traz no coração

O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar distraído
O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar

Devia ter complicado menos
Trabalhado menos
Ter visto o sol se pôr
Devia ter me importado menos
Com problemas pequenos
Ter morrido de amor

Queria ter aceitado
A vida como ela é
A cada um cabe alegrias
E a tristeza que vier

O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar distraído
O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar

Devia ter complicado menos
Trabalhado menos
Ter visto o sol se pôr

7 comentários:

  1. Quanto tempo que nao venho aqui em kkkk
    Adorei o texto, realmente muito lindo *--*
    http://buscandosonhos.com/

    ResponderExcluir
  2. Oi Rapha. Adorei! Estou tentando fazer o maximo que posso. Ano a um mês e meio com problemas de saúde e anda bem dificil eu conseguir fazer qualquer coisa. Mas mesmo assim tento não deixar de postar. Bjus

    ResponderExcluir
  3. Que belo momento de inspiração, fantásticas palavras. Fico completamente envolvido nos textos que deixas, adoro! Um texto cinco estrelas!

    http://ummarderecordacoes.blogs.sapo.pt/

    ResponderExcluir
  4. Que interessa o passado?
    Já não se pode alterar.
    Há que aproveitar o que ainda há.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  5. Ja tinha escrito sobre minha rotina: http://nadademais1.blogspot.com.br/2013/12/um-dia-comum.html

    Mas a rotina ainda acho necessária, sentimos confortáveis nela e por outro lado se vc se esforça em sair dar rotina, sair da rotina torna-se sua rotina.

    ResponderExcluir
  6. não sou fã de rotinas mas elas fazem parte do dia a dia.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  7. Lindo adorei e seu blog também...

    http://loucasporphotoscape.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir