terça-feira, 30 de julho de 2013

Antítese


Conhecedora de tudo, sabia muito mais sobre os outros do que de si própria. Dizia-se antítese ambulante por não saber se amava o calor matinal, a lua, a noite, e temia o escuro. Não sabia qual rua pegar, qual caminho seguir, só sabia que precisava ir. Por vezes sentia se sozinha, por vezes saturada, conseguia achar soluções para todos, menos para si mesma. Disfarçava as lágrimas pelas duvidas que a assolavam e sorria sempre ao sentir o vento bagunçar seu cabelo. Ela era complicada, mas gostava de enxergar as coisas com simplicidade. Não se reconhecia no espelho, mas sabia muitas vezes o que seu coração desejava.

2 comentários:

  1. _Disfarçava as lágrimas pelas duvidas que a assolavam...Menina vc é d+++, um mimo cada definição da sua antitese pessoal na poesia, já sou um admirador dos seus belos delírios, q bom q encontrei vc, o tio Castanha dxa bjos, bjos e bjosssssssssssss

    ResponderExcluir
  2. "conseguia achar soluções para todos,
    menos para si mesma"

    Gostei. A vida dos outros
    é sempre mais fácil...

    Um beijo!

    ResponderExcluir