terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Perdida

Ela anda sozinha, perdida.
Em cada esquina tenta se encontrar,
Não sabe o que vestir,
Qual sapato calçar, ou a palavra certa para usar.
Ela está presa,
Sem ter correntes amarradas nos pés,
Sem ver o sol nascer quadrado,
Está mergulhada num mar de dúvidas,
O qual vai se afogando lentamente por não saber nadar.
Ela tenta o que almejava,
Mas não está tentando direito.
Não sabe para onde ir,
Ou por onde começar.
Mas continua andando,
Andando até se cansar.
Até se afogar.

Até tudo acabar.

Raphaela Barreto
Novembro

Nenhum comentário:

Postar um comentário