segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Espetáculo


Eu sei que estou fazendo as escolhas erradas, sei no que estou me transformando e sei que não me importo. Não sentir nada é maravilhoso, porque o vazio é melhor que a dor. Aos poucos tudo volta ao que era antes, mas eu sei que tudo mudou. Minhas escolhas e decisões não me levaram de volta à vida que tinha tampouco alguém pode voltar ao passado e mesmo se pudesse não voltaria, o que aconteceu no passado me fez ser quem sou hoje e em meio aos tropeços sigo meu caminho que está longe de ter fim. Em meio aos passos arrastados e o sorriso nos lábios trilho minha história. Uma história cheia de duvidas, amor, felicidade e tristeza, alegrias e dores, trilho minha vida que está sendo o avesso do que sonhei aos meus dez anos, uma vida cheia de contratempos e antônimos, mas talvez essa seja a graça de viver: preparar e sonhar com a peça e em cima do palco ter que improvisar o espetáculo inteiro.

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Homens de terno


Estou cansada das mesmas conversas diárias, dos mesmos assuntos sem sentido, da mesma banalidade casual. Estou cansada das mesmas pessoas e de seus padrões patéticos de vida. Cansada de ver milhares de pessoas a minha frente e na verdade não ver nada além do vazio que cada uma representa. É incrível como a fé de uma criança remove montanhas e seu coração é gigantesco, como um adolescente não tem medo de se jogar no amor, não tem medo de se arriscar e às vezes consegue achar o erro da sociedade, e é mais incrível ainda quando tudo isso deixa de ser importante quando viramos adultos – tudo que passamos a acreditar num dia, no outro some e então já somos robôs escravizados de nossa sociedade capitalista e masoquista. Dizer que todos são assim é loucura, mas a minoria se faz cada vez menor e qualquer forma de expressão é reprendida e vista como idiotice e loucura pelos homenzinhos de terno.

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Dança


A dança é muito mais do que movimentos simples ou complexos – é algo que vem da alma. Transportamos cada sorriso, amor, dor e lágrima para nossos pés e mostramos o que se passa aqui dentro. Quando dançamos somos nós mesmos. É como transformar cada movimento num enredo fantástico de gestos, expressões, sentimentos e emoções. É se sentir vivo e completo. É mostrar o amor e a dor, a alegria e a tristeza, o sorriso e a lágrima. É sentir a musica entrar em seu corpo e se soltar, sentir cada musculo traduzir seu coração, deixar a alma levar para o corpo o que o coração sente. É dar o melhor de si e transparecer um pouco do seu interior. A dança pode ser um livro para quem sabe ler com o coração.

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Tempestade


Ela sabe que vai se machucar, sabe que vai doer e que vai ser mais uma cicatriz junto com tantas outras, como também sabe que ele não vale sequer nenhuma lagrima caída no travesseiro no final de um dia. Mas o amor é assim, não é? Um tiro no escuro, quebrar a cara algumas vezes até perceber que não vale mais a pena usar aquela pistola para atirar. Acorda menina boba, o café já esfriou faz tempo, não insista em lâmpada queimada, dizer adeus dói, mas é na dor que grandes pessoas se formam e já chega de ser pequena. Vamos lá, seu coração novo tem muito que aguentar ainda, coloca o teu melhor vestido, passa o melhor batom e sai sorrindo por ai, abrace o mundo que ele te acolhe, antes do nos perdermos sempre somos achados, o sol nasce amanhã e tudo fica bem, só acreditar e ter fé, a tempestade sempre passa.

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

Papel em branco


Uma camada grossa de nuvens cobre o céu, os raios solares aqui não chegam e a garoa é intensa. O dia está acinzentado e me pego ouvindo suas musicas preferidas, minhas musicas preferidas. Se eu fechar os olhos posso senti-lo perto de mim e é por isso que os mantenho aberto, não vale a pena viver no passado, não vale a pena recordar coisas que jamais poderei sentir novamente, não vale a pena remexer nas cicatrizes e trazer os velhos fantasmas a tona. É por isso que enterrei tudo aqui dentro de mim, se um dia quiser lembrar, simplesmente abro a gaveta das lembranças e devaneio com um sorriso nos lábios, não há motivos para ter lágrimas nos olhos, e mesmo se quisesse não conseguiria, já deixei de me importar com tudo isso há algum tempo - já deixei de sentir. Frieza? Chamaria de autoproteção. Soa clichê, mas o amor e a dor são feitos de palavras ditas a todo o momento numa tentativa falha de expressar o que sentimos aqui dentro, porque por mais que tentemos explicar o que sentimos, sentimentos não podem ser escritos numa folha de papel em branco e ser deixados em cima da mesa para se ler no café da manhã.

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Pesadelo

 Quero caminhar por uma estrada sem um rumo certo, pegar carona e ir para qualquer lugar. Só ter a certeza de que o sol vai nascer amanhã e deixar as dúvidas e as incertezas para lá. Só quero me importar com a terra aos meus pés, com o cheiro da grama recém-cortada e da chuva ao longe chegando. Quero sentir as coisas simples novamente, dar risada de velhas coisas, sentir sensações novas, passar horas jogando conversa fora. Quero olhar o sol se pondo em um cenário maravilhoso e ver a lua deslumbrante ir embora aos primeiros raios solares do dia. Quero viver sem tem medo de cair. Quero viver como se estivesse num sonho, mesmo sabendo que a qualquer momento tudo pode se tornar um pesadelo.