terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Incógnita


Aumentei a musica e acelerei o passo até se tornar uma corrida. O que era para ser algo para esvaziar a mente se tornou minha pequena prisão de pensamentos, cada passo uma ideia enraizada enrolada pela musica através de minha mente, cada batida um novo pensamento. Uma confusão de idéias, um turbilhão difícil de explicar e uma vontade inexplicável de que tudo ficasse branco. Que eu pudesse me desligar e minha mente entrasse naquela caixa do nada, onde a paz reinasse, como quando nado; quando tudo o que me importa na água é bater as pernas e sincronizar os braços para não afundar, quando não há espaço para pensar, apenar sentir a água em meu corpo tirando me o calor e meu ouvido mal ouvindo sons no exterior, como puxar todo o ar e mergulhar e ficar lá concentrada em tudo ali embaixo e em nada em cima, como retornar a superfície e inspirar todo ar que conseguir para suprir a necessidade de meu pulmão que já protesta pela falta de oxigênio. Mas não, ali correndo nada disso aconteceu. Só pensamentos e mais pensamentos me invadiam enquanto uma intensa necessidade de corpo e alma cresciam em conjunto com minha vontade de me jogar na água e fazer tudo aquilo passar. Troquei a música, suspirei, aumentei o passo até me sentir exausta, sim, precisava ficar exausta, mas nada disso adiantou, e a ideia de que a vida é uma eterna ironia e que nós somos uma perfeita incógnita não deixou minha mente. 

11 comentários:

  1. Bonito texto Bonita
    e coragem
    que o Ano Novo está já vir
    e porque não nos sorrir de feição ?

    Beijinhos e um Grande e feliz Réveillon em alegria.

    Feliz 2017

    ResponderExcluir
  2. Somos, de fato, incógnitas que não possuem soluções no mundo real.

    Muito bom, Rapha! Saudades daqui!

    ResponderExcluir
  3. Bom e feliz 2017
    com amor, saúde e dinheiro...Beijinhos~_````

    ResponderExcluir
  4. Que texto simplesmente fantástico, adoro as tuas palavras! Gosto imenso daquilo que escreves. Um bom ano para ti Rapha!

    http://ummarderecordacoes.blogs.sapo.pt/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Miguel, ótimo ano também!

      Abraço.

      Excluir
  5. Engraçado lendo seu post. Me fez ter uma reflexão, eu prefiro ficar cansada do que triste.

    Feliz 2017
    http://minhaformadeexpressao.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Rapha, que texto extraordinário! A impressão de que há algo a mais por ler não sai do pensamento. Sabem, acompanhando o pensamento que tu expressaste, penso que talvez nem a água, dessa vez, resolveria. Há momentos em que pensamos no que não queremos pensar, seja mergulhados em água, em nada ou no infinito... Belíssimo. Não escreves a um bom tempo. Espero que escrevas. Seguindo-te. Bacio

    ResponderExcluir
  7. Lindo teu texto!! Por vezes, como uma bruma densa, um pensamento vem e nos tira de nós mesmos... E fica impossível sair dele, ou seria, tira-lo de nós? Já não dá pra saber quem segura quem, quem sabe apega a quem. Se o pensamento habita em nós, ou se nós o habitamos...
    Terno abraço!

    ResponderExcluir