sexta-feira, 24 de maio de 2013

Resenha: O diário de Anne Frank - Francine Prose.


Francine Prose faz uma crítica literária e defende que o diário é uma obra de arte, um texto literário pensado e planejado. Os originais comprovam que Anne escreveu pensando em seus futuros leitores, reescrevendo e editando inúmeras passagens. Ela se via como uma escritora - e era de fato talentosa, como se vê por sua habilidosa construção de diálogos e personagens, seu olho para os detalhes, seu domínio do ritmo da narrativa. Além de fazer uma análise literária da obra, Prose conta a trajetória de Anne e sua família, chamando a atenção para detalhes em geral ignorados. E reflete sobre as discussões e produtos gerados a partir do livro - o Museu Anne Frank, a peça de teatro e o filme realizados a partir do Diário, as teorias que negam a autenticidade da obra, além da adoção do livro em escolas e o uso feito por professores em sala de aula.

O que eu achei: A crítica é de fato interessante e um ótimo livro para os fãs de Anne. Conta não só a história de Anne, como também o meio em que ela vivia, como era a escola dela e como se encontrava a Holanda em 1940. Cita alguns amigos dela, vizinhos, possíveis suspeitos que poderiam ter denunciado o Anexo Secreto e todos que ajudaram os judeus naqueles dois anos. Francine também relata de como o livro se tornou peça de teatro e como chegou ao cinema, citando ainda como o livro é usado nas escolas. Até a metade dele, onde conta a ida de Anne para Bergen-Belsen a leitura é constante, se tornando um pouco maçante a partir das citações do teatro, mesmo assim recomendo o livro.

Um comentário:

  1. Oi, Rapha. Muito interessante seu blog. A história que ouvi no Museu da Anne é que o Diário foi publicado pelo pai dela, pois ele sabia que o sonho da filha era ser escritora. No entanto, ele censurou algumas partes que relatavam conflitos familiares e sexualidade.
    Faz tempo que estou querendo ler a versão completa. Acho que será o próximo na minha lista.

    ResponderExcluir