sábado, 2 de junho de 2018

Nas ruas de Berlim

Quando estive na Alemanha, fiquei em uma cidadezinha adorável chamada Lippstadt, mas no final de semana corri para Berlim para conhecer a história de um país tão incrível e marcado por tantas histórias fortes. 
Para se locomover no país é super tranquilo, fiz toda a viagem de trem e a Alemanha conta com um aplicativo (DB Bahn) muito bom que te mostra qual plataforma pegar o trem, se está atrasado ou não, o que fazer se perder uma conexão... Basicamente igual um aplicativo de companhias de avião, mas para trens. O aplicativo funciona com internet, os trens ICE possuem internet gratuita, mas os demais não - minha dica é ir em uma loja da Vodafone na Alemanha e comprar um chip com internet, assim não tem chances de passar apuros.  
Voltando para Berlim, as aventuras serão dividas em três posts: locais gratuitos para conhecer em Berlim, os museus e por fim o campo de concentração Sachsenhausen. Metade do roteiro e dicas de como se virar, consegui no site Simplesmente Berlim (super recomendo).
O roteiro começa no hotel, Motel One Berlim Hauptbanhof, possuí um preço bom e é bem do lado da estação central. Cheguei na sexta a meia noite, e encontrei uma Berlim viva com várias pessoas na rua enquanto eu caminhava até o hotel. 


Platz der Republik

No dia seguinte minha primeira parada foi na Platz der Republik (praça da república), uma caminhada rápida em frente é mais do que suficiente para desfrutar do lugar. Depois caminhei até o Portão de Brandemburgo, um monumento enorme e muito bonito, uma colega minha disse que dá para ver marcas de tiro no portão, da segunda guerra, mas eu infelizmente não prestei tanta atenção. Em seguida fui para o Memorial to the Murdered Jews of Europe (memorial dos judeus assinados da Europa), só passei em frente também e caminhei entre os monumentos, há um museu pequeno bem ao lado, mas só abre às 10hrs, e eu estava caminhando lá às 8hrs. 


Portão de Brandemburgo


Portão de Brandemburgo


Memorial to the Murdered Jews 
Memorial to the Murdered Jews



Ainda passei em frente do Neue Wache, um memorial dedicado para as vítimas da guerra e da tirania, todo o local é fechado, com exceção da estátua que fica ao céu aberto, ao frio, ao calor e a chuva, justamente para simbolizar as vítimas.




Passei em frente ainda da Catedral de Berlim (MA-RA-VI-LHO-SA), não cheguei a entrar porque era preciso pagar, mas se eu tiver a oportunidade no futuro, com certeza entrarei, a riqueza de detalhes é exuberante.


Catedral de Berlim


Quase acabando o dia, caminhei morrendo até o Muro de Berlim, o local é chamado de East Side Gallery e contêm partes do muro com grafite. O muro é bem alto e eu só podia pensar em qual sentido fazia ter um muro dividindo a cidade. Como quase todos sabem, o muro foi derrubado no final da guerra fria, todas as ruas de Berlim são asfaltadas, mas é possível identificar onde o muro passava no chão, pois bem no local há um tipo de paralelepípedo. Ainda sobre a guerra fria, passei no Check Point Charlie, era exatamente neste local onde se dividia os lados. Funcionava como se fosse uma "portaria" entre o lado comunista e o capitalista. 


East Side Gallery (Pedaço do Muro de Berlim)

East Side Gallery

East Side Gallery


Check Point Charlie
Check Point Charlie - "Você está deixando o setor americano"

Marca do Muro de Berlim nas ruas

Para acabar a noite passei na topografia do terror, que fica aberto até às 20h. É tipo um museu que conta toda a história da segunda guerra mundial, desde como a guerra começou, como fizeram para incentivar o lance da raça ariana até o final da guerra. É tudo através de artigos, pedaços de jornais da época, fotos e muita história, então prepare-se para ler bastante. 




No domingo, para acabar com nosso post nas ruas de Berlim, passeei ainda pelo Tiergarten Park, um parque bem bonito onde é possível encontrar os berlinenses fazendo caminhada e correndo, e uma diversidade bem interessante. O parque termina bem no zoológico de Berlim, onde aparentemente vale a pena conhecer.  



Para ver mais fotos, basta acessar o instagram do blog, ou o meu pessoal.


2 comentários:

  1. Eu nunca estive por aí
    mas que será multifacetado
    e pelas imagens
    será de agrado, mas
    nada de Biere
    daquelas de 2 Litros ? Hé hé hé, Brinco
    no desejo de uma boa e feliz Semana
    Beijinhos -.^)
    Boa e explícita reportagem)

    ResponderExcluir
  2. Amei as fotos, a Alemanha é cheia de arquitetura para ver e ainda dá para aproveitar a história.
    Beijos
    http://lolamantovani.blogspot.com.br

    ResponderExcluir