segunda-feira, 30 de março de 2015

Ela

Meus sentimentos eram artificiais ou reais?
Eu amava a ideia que eu tinha do amor, não amava a realidade, tão cética.
Eu amava imaginar você nos meus braços, do meu lado, na minha cama, e eu poderia desabafar o mundo, esquecer-me dos meus pensamentos insidiosos.
Eu amava uma concepção, uma hipótese, quem me dera que a minha quimera fosse minha vida.
Eu amava a mim mesmo quando estava apaixonado.
Eu amava cada insignificante detalhe do meu cotidiano sorumbático e, mesmo que fosse um alívio programado, eu não me importava com o marasmo.
Era uma sensação lépida, um espasmo metafísico que transcendia a própria vida, era assim quando eu te amava, quando os meus olhos se fechavam e se cruzavam com os seus.
E mesmo você sendo uma utopia, eu atribui um sentido para a minha existência quando idealizava esse amor, nada arrancará isso do meu cerne, nem a desilusão da realidade e nem a ludibriação da aparência.
Eu amava a esperança de que o falso se tornasse verdadeiro, mesmo sendo falso por inteiro, absolutamente falso.
Meus sentimentos eram reais ou artificiais?

Poema do Vitor Costa, do blog O Mundo Em Cenas.
É um deleite para os olhos poder ler seus poemas.
Obrigada por participar Vitor!

11 comentários:

  1. Amar é ver no outro o melhor de si mesmo.
    GK

    ResponderExcluir
  2. Grandes e reais Paixonetas da Juventude...~_

    Um belo e feliz resto de semana Bonita
    xoxo de aqui dos calhaus

    ResponderExcluir
  3. Eu amava a esperança de que o falso se tornasse verdadeiro, mesmo sendo falso por inteiro, absolutamente falso...Lindo, uma profundidade poética, quase filosófica, mas na vida bem real, adorei e vc merece bjinhos e bjinhossss...(Minha tela está contaminada por propagandas que não dsejo, vc sb como fzer para deletá~las???)

    ResponderExcluir
  4. E a gente questiona tantas coisas...

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  5. Saudade do tempo romântico de Machado de Assis, em que os sentimentos eram mais reais e menos virtuais, mas o ilustre romancista já olhava tudo com maldade.

    BjóKawanami

    ResponderExcluir
  6. Eu sempre dou uma sumida, não me orgulho! Mas seu blog é um cantinho sempre visitado! Adoro muito, tudo por aqui!!! Adorei o texto do Vitor... Quem nunca se questionou sobre coisas do amor?

    ResponderExcluir
  7. Que texto absolutamente soberbo! Adorei cada palavra :)

    http://ummarderecordacoes.blogs.sapo.pt/

    ResponderExcluir
  8. Que palavras maravilhosas. O amor realmente tem dessas brincadeiras conosco.

    M&N | Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de abril. Você escolhe o livro que quer ganhar!

    ResponderExcluir
  9. Querida amiga

    Penso que a única certeza
    de quem ama,
    é a incerteza
    se todo o amor valeu a pena...

    Parabéns ao autor do texto também...

    Que a vida lhe traga a cada manhã,
    o maravilhoso perfume da alegria...

    ResponderExcluir
  10. Oi Rapha, muito obrigado por publicar o meu texto no seu estimado blog, é realmente uma honra, fiquei muito feliz :-D

    Beijão

    ResponderExcluir
  11. Acontece
    e só com o tempo, desaparece...~_*

    ResponderExcluir