quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Venenos mais lentos


Gosto dos venenos mais lentos, das bebidas mais amargas, das drogas mais poderosas, das ideias mais insanas, dos pensamentos mais complexos, dos sentimentos mais fortes… tenho um apetite voraz e os delírios mais loucos. Você pode até me empurrar de um penhasco que eu vou dizer “E daí? Eu adoro voar!”. Não me deem fórmulas certas, por que eu não espero acertar sempre. Não me mostrem o que esperam de mim, por que vou seguir meu coração. Não me façam ser quem não sou. Não me convidem a ser igual, por que sinceramente sou diferente. Não sei amar pela metade. Não sei viver de mentira. Não sei voar de pés no chão. Sou sempre eu mesma, mas com certeza não serei a mesma para sempre.

— 
Clarice Lispector

Um comentário:

  1. Esse pequeno texto faz parte de um texto ainda maior da Clarice, e como amo esse texto, ela é esplêndida na hora de escrever.
    acervo-de-livros.blogspot.com

    ResponderExcluir