sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Graciosidade

Há uma certa graciosidade na vida, na forma como as coisas acontecem e mesmo não parecendo ter ligação, tudo se conecta. Como cada parte de nossa vida é marcada por fases e transições, onde pessoas chegam e vão, onde você amadurece, chora, ri e cresce. 
Lembro-me de ouvir meus pais falarem coisas quando eu era criança e bem, agora eu estou vivendo estas coisas, contas, faculdade, responsabilidades, o tempo correndo parecendo ter pressa para chegar em algum lugar e você não fazendo metade das coisas que gostaria. Até encontrar velhos amigos na rua e ter uma conversa de cinco minutos é normal. 
Começamos a divagar sobre outros assuntos em nosso cotidiano, a divagar sobre a vida, futuro e morte. E em falar sobre a morte, você percebe que é uma fila até chegar seu dia, primeiro seus avós, em seguida sabe que serão seus pais e advinha? Você é o próximo da lista. Então digo que há uma certa graciosidade na morte também, na forma como as coisas acontecem e mesmo não parecendo ter ligação, tudo se conecta. Como uma fase final, uma transição para o desconhecido. 
Nada é coincidência nesta vida, não existe um ao acaso, mas uma coisa sempre será certa, a vida e a morte, em um ciclo gracioso trazendo, levando e transformando tudo o que há no universo.  

7 comentários:

  1. Raphaela,

    O texto também ficou gracioso, expressão concisa do pensamento.
    Minha tia disse que a geração dela é a que está do lado de fora da roda, lembrando que é a vez deles, pois seus pai morreram; pensamento afim com teu post.
    Bom carnaval! Partiu! ;)

    beijo

    ResponderExcluir
  2. Quando me dei conta que meus pais estavam envelhecendo, entrei em panico.
    Eu tinha uns 16 anos.
    Tudo isso me assusta um pouco, mas hoje sei lidar.

    http://minhaformadeexpressao.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Geralmente não penso muito nisso, senão entro em panico também ou começo a ficar doida... que coisa essa nossa vida.

      Excluir
  3. E diz o José Cheia
    que a vida são 2 dias
    e o Carnaval 3...~_````

    Bom fim de Semana
    e que tudo vá bem Bonita...

    Beijinhos de aqui da Covilhã.

    ResponderExcluir
  4. Teu texto tem a beleza da sinceridade, da pureza da expressão daquilo que vai em teu coração. Preciso apenas dizer-te que duas coisas são verdadeiras: há uma ordem natural da vida e da morte, mas há uma ordem não natural que acompanha em paralelo à ordem natural, e às vezes converge sobre a ordem natural e a altera drasticamente. Perdi pessoas muito, muito novas. Mas a vida é belíssima, graciosíssima, e o teu texto é de uma beleza encantadora. Gosto de tudo que escreves. Um beijo

    ResponderExcluir
  5. tudo acontece,
    tudo passa.

    assim funciona

    abraco
    Sara.

    ResponderExcluir
  6. Raphaela,

    Eu estava vendo um filme intitulado "O homem que copiava", e nele aparece um soneto de William Shakespeare, e lembrei deste teu post.
    O soneto é este:

    Quando a hora dobra em triste e tardo toque
    E em noite horrenda vejo escoar-se o dia,
    Quando vejo esvair-se a violeta, ou que
    A prata a preta têmpora assedia;

    Quando vejo sem folha o tronco antigo
    Que ao rebanho estendia sombra franca
    E em feixe atado agora o verde trigo
    Seguir o carro, a barba hirsuta e branca;

    Sobre tua beleza então questiono
    Que há de sofrer do Tempo a dura prova,
    Pois as graças do mundo em abandono
    Morrem ao ver nascendo a graça nova.

    Contra a foice do Tempo é vão combate,
    Salvo a prole, que o enfrenta se te abate.

    William Shakespeare
    (tradução: Ivo Barroso)

    ResponderExcluir