sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Nem tudo são flores


Ele leu tal brincadeira e foi como se algo tomasse conta dele. Não sei explicar, mas senti medo. Chamou-me para conversar em um canto, de outro lado da rua todos se divertiam como se suas vidas não fossem acabar, queria estar como elas agora – sorrindo. Encostei-me na parede quase me encolhendo enquanto ele proferia palavras que não devem ser ouvidas por uma dama, como também uma dama não deve revidar, mas revidei, um casal em plena lua cheia brigando. Falei duas palavras, foi o suficiente para mim, enquanto ele falava abaixei a cabeça e a afundei em minhas mãos – chorei. Chorei como se aquilo fosse a ultima coisa a fazer no mundo, chorei soluçando até ficar sem ar. Ele parou e começou a me olhar, repentinamente percebeu o que tinha feito, se aproximou mais e começou a pedir perdão, mas eu não o queria mais naquele momento. Então, em ultimo ato, ele também chorou, eu o abracei e chorei junto, nem as palavras nem o choro eram da natureza dele. Eu chorava por dor, ele por arrependimento. “Me perdoa?” perguntou ele pela vigésima vez entre lágrimas, era a primeira vez que eu via o chorar, respondi que estava tudo bem, mesmo com a aperto no peito, queria que ele parasse com as lágrimas. Se hoje foi uma tempestade, amanhã talvez o sol nascesse.

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

E para o amor:


“Dê a quem você ama asas para voar, raízes para voltar e motivos para ficar”


segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

[Resenha] Desastre Iminente - Jamie McGuire


Em Desastre Iminente conhecemos o romance vivido por Abby e Travis pelos olhos do próprio Travis Maddox. Parece chato ler a mesma história? Nem um pouco. Com o bad boy narrando, conhecemos seu passado, a maior perda de sua vida, e porque ele age deste modo hoje. Se por um lado estávamos acostumados com a Abby, vamos ver um pouco mais de explosão agora, e com um crédito no final ainda: a vida que nosso casal leverá depois de anos juntos.
Desastre Iminente é apaixonante, questionador, envolvente e é impossível parar de ler. Em um minuto você quer matar o Travis, no outro a Abby, e em seguida volta a ama-los.

Pág: 405.

Nota: 4 estrelas.

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Dúvidas

“[...] Cada ser humano tem um ritmo e isso não é o mais importante. O que importa é que todos nós chegaremos lá. Se uma pessoa leva mais tempo do que a outra para descobrir o que quer fazer, não significa que será um fracasso profissional. Muitas vezes, o cara que se sentia seguro aos dezoito anos chegará aos quarenta questionando se escolheu a profissão certa. Porque é natural ter dúvida, sentir-se inseguro, ficar com medo. São sentimentos inerentes ao ser humano.”
Anna Osta

Crescer na Terra do Nunca

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Um pequeno momento de loucura


Ela estava fitando a parede branca, vazia, sentada numa cadeira qualquer onde costumavam conversar sobre coisas banais e rir à toa, o que não estava acontecendo nos últimos dias. Só gritos ecoavam pela casa e soluços de choros reprimidos, e ela se perguntava o porquê. Todos os seus músculos estavam tensos, rígidos, ela sabia que iria explodir. Perto dela estava uma mesinha, daquelas do chá das cinco, pires e pratinhos estavam graciosamente arrumados. A discussão que tiveram a pouco passou por sua cabeça, ela somente esticou a mão e pegou uma xícara, parecia coisa de novela, mas era assim que ela iria aliviar tudo o que tinha no peito, a dor, as lágrimas presas, tudo. Jogou a delicada xícara na parede, ela se partiu em pedaços e caiu no chão. Uma por uma foram acertadas longe, até que um gritou rouco saiu de sua garganta e ela deslizou para o chão, chorando aliviada, talvez haveria outra discussão por causa dos pires quebrados, mas valia a pena se sentir assim agora, ou ele entenderia o que estava acontecendo e então poderiam limpar toda a bagunça, sentar na cadeira e juntos, conversar sobre coisas banais e rir à toa novamente.  

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Pensando só um pouco

- Você é feliz?

- Não o tempo todo. 

Todo mundo.

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Viver é fazer acontecer


A vida pode passar rápido, ou devagar para alguns, com curvas e obstáculos, futilidades e perdas, mas ela passa. É preciso saber em que dar valor, a palavra certa na hora certa. A vida não é só diversão ou tristeza, ou uma roupa para comprar, uma partida, um celular novo, festas, escola, trabalho ou passeios, ela é também sabedoria. É um álbum cheio de recordações, momentos, fragmentos do tempo. É inexplicável, maravilhoso, mágico e temos que fazer tudo valer a pena, mudar o rumo algumas vezes, conhecer outras coisas, se desapegar de algumas. É aprender cada vez mais. É escolher um caminho diferente para ir ao supermercado, é ensinar o filho a andar, é levar um tombo, é levantar. É sonhar, rir e chorar. É voar e imaginar. É aproveitar tudo, porque a vida passa e uma hora acaba. Viver, é fazer acontecer. 

Raphaela Barreto

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Adultos


“Impressionante: os adultos não revelam e não demonstram solidariedade quando a gente pisa em falso. Até parece que nunca erraram! Fico sem saber por que agem assim... Querem descontar em nós algo reprimido? Ficam inseguros por assumir seus erros? Sentem vergonha de demonstrar sua sensibilidade? Têm receio de parecer frágeis ou medo de perder credibilidade? Se alguém souber o motivo, por favor, me avise.”
Anna Osta
Crescer na Terra do Nunca

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Notinha

A ganhadora da promoção "Seu cantinho no meu" foi a Beatriz Eliza, do blog Etc e Tal, com o texto:


Parabéns Beatriz! E quero agradecer a todos que participaram, sem vocês nada disso seria possível, e logo, logo teremos mais promoções. E para a ganhadora, um mês de destaque aqui em meu cantinho (começando em fevereiro) e mais dois textos publicados em meu outro blog + divulgação nas redes sociais. 

Raphaela Barreto

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

[Resenha] Belo Desastre


Em Belo Desastre lemos a história de Abby, uma jovem que se muda para outra cidade com sua melhor amiga em busca de uma vida nova para esquecer o seu passado. Ela tem jeito de boa moça o que pode ser facilmente arruinado quando ela conhece o tão desejado Travis Maddox na faculdade.
Confesso que nas primeiras páginas pensei que seria mais um romance tolo adolescente no qual o bad boy se apaixona pela garota que todos menos esperam, mas conforme fui lendo o livro percebi que era um pouco mais que isso e que um verdadeiro Belo Desastre se desenrola. É apaixonante, viciante e quando você menos espera, uma surpresa. Você vai rir e chorar no livro, odiar a Abby e o Travis e depois ama-los.


Pag: 389.
Nota: 4 estrelas.


sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

Agenda, bloco de notas, caderninho, o que você quiser


Acho que a maioria das garotas tem uma agenda ou um caderninho em que desenham ou fazem anotações, marcam horários e compromissos, escrevem para passar o tempo ou qualquer coisa que venha a cabeça. Cada caderninho contém um pouquinho da vida de cada um, um pouquinho de quem somos, e eu vou expor mais um pouquinho de mim para vocês. Escrevi na última página do meu caderninho azul e sem linhas há pouco tempo e vou mostrar para vocês um pouco do que tem nele. Comecei a usá-lo na metade de 2012 e foi meu companheiro muitas vezes até o fim de 2013, e aí vamos nós.
Muitos textos que estão aqui no blog, foram escritos lá, para passar a hora mesmo ou quando vinha qualquer ideia maluca cabeça ou acontecia algo que me fazia pensar em tais assuntos, e são eles: (nem eu sabia que eram tantos em único caderninho)

Escrevi trechos de livros (a maioria de A Menina que Roubava Livros, Paulo Coelho e Vinicius de Moraes):
“Não ir embora: Ato de confiança e amor, comumente decifrado pelas crianças.”
“Duas Palavras gigantescas: Sinto Muito”
“[...] Muito forte sou para odiar nada senão a vida, muito fraco sou para amar nada mais que a vida [...]”
“Os seres humanos me assombram”

E músicas de bandas como Green day, Guns ‘n Roses, Legião Urbana, Enegnheiros do Hawai, Bruno Mars, The Pretty Reckless e talvez mais alguma que eu tenha esquecido de escrever aqui.
Escrevi frases também (com a intenção de talvez um dia escrever aqui ou publicar em algum lugar, o que não deu muito certo):

“A sociedade mata o poeta que há em nós”
"É tanta gente, que fica difícil ver as pessoas"
“Me julgue do que jeito que quiser, a realidade é minha, não sua”
“Sinto pena das pessoas que vão morrer na própria ignorância”
“Pra sentir a liberdade, a gente tem que se libertar”
“Normal é questão de ponto de vista”
“Somos formadores de nossas próprias prisões”
“Às vezes você lê um livro, as vezes ele te lê”

Chega de frases.

Marquei telefones, horários de consultas, compromissos, preços, nome da faculdades e possíveis cursos que eu poderia fazer. Fiz MUITA conta relacionada a orçamento, defini gastos, marquei programas para os dias, escrevi sobre as promoções nos blog (participantes e ganhadores), fiz uma lista de livros para ler, que eu não li nem metade ainda, marquei endereços, colei bloquinhos de notas (ta, quem cola bloquinhos de notas em um caderninho que já é para notas? Eu), marquei senhas, inscrições de faculdades, e qualquer outra coisa que achei que deveria marcar. Fiz desenhos também, mas confesso que não nasci para desenhar e é isso. Novo ano, 2014, e um novo caderninho vai se iniciar, o que será que vai ter nele agora?


Eu desenhei um DOMO parecido com esse em meu caderninho ;3

quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

Saudade

Dizem que tudo que vai, volta, mas não é verdade. O tempo que passou, jamais voltará ou poderá ser vivido novamente. É uma coisa que todos sabem, mas quando pesa, é inevitável não pensar. E pesou. Pesou quando eu estava passando por um walmart e vi várias barbies – minha paixão, confesso que tenho minha coleção guardada ainda. Lembrei-me dos velhos tempos, a casa montada, penteados e roupas diferentes e minhas amigas em casa fazendo bagunça. Lembrei que ser criança era a melhor coisa do mundo, e notei uma coisa engraçada: quando somos crianças queremos crescer, e quando crescemos queremos ser jovens

Raphaela Barreto

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Perdida

Ela anda sozinha, perdida.
Em cada esquina tenta se encontrar,
Não sabe o que vestir,
Qual sapato calçar, ou a palavra certa para usar.
Ela está presa,
Sem ter correntes amarradas nos pés,
Sem ver o sol nascer quadrado,
Está mergulhada num mar de dúvidas,
O qual vai se afogando lentamente por não saber nadar.
Ela tenta o que almejava,
Mas não está tentando direito.
Não sabe para onde ir,
Ou por onde começar.
Mas continua andando,
Andando até se cansar.
Até se afogar.

Até tudo acabar.

Raphaela Barreto
Novembro

Tecnologia

As pessoas buscas desesperadamente por algum tipo de afeto. No mundo em que vivemos todos vivem conectados 24h, mas se desconectam das coisas que estão ao redor. Afastam-se do calor humano, preferem mexer em um celular a conversar com alguém. Fecham-se e perdem-se em si próprios e não conseguem se achar, se alienam, ficam loucas e toda esta loucura alienada está parecendo lucidez. As pessoas não sabem mais conversar, não sabem ver que o mundo não está em tela com pixels. Se a tecnologia veio para ajudar-nos? Claro que veio, mas tem muita gente não sabendo usar. Tem muita gente esquecendo-se de viver a vida. E quando vem qualquer faísca de sentimento ou simplicidade tornam isso algo grande e intenso – sem necessidade, e depois se decepcionam. As pessoas estão acostumadas ao mundo dos pixels e a praticidade que se esquecem de que o mundo é muito mais que isso. A vida é uma só para darmos valores às coisas erradas e que se for para ter um vicio, que seja por algo de valor, por um sabor a mais na vida e algo que faça seu coração acelerar, não por um objeto qualquer e substituível.  

Raphaela Barreto
Outubro.

domingo, 5 de janeiro de 2014

Felicidade

Ela estava esperando por aquele momento a noite toda, ela sabia que a hora iria chegar, e ria e sorria com a timidez dele. Os dois se olhavam e ela se perdia naqueles olhos grandes e castanhos e o envolvia com seus braços. No ultimo minuto, antes de ela ter que ir embora, ele a puxou pelo braço e perguntou a tão esperada pergunta, sim – disse ela sorrindo transbordando de alegria. Mil vezes sim. Um eu te amo passou dos olhos para a boca e um sorriso brotou enquanto os lábios de ambos estavam colados um no outro. Nem mil sorrisos poderiam traduzir o coração dela enquanto ela ia embora, mas sabia que em breve voltaria a vê-lo.

Raphaela Barreto
Setembro.

sábado, 4 de janeiro de 2014

Vamos nos permitir

Disseram-me que nós temos que ser felizes, não importa como, mas esqueceram de contar que muitas coisas na vida vão tentar te afastar da felicidade, ou que você mesmo pode se privar por causa do medo. Temos caminhos e mais caminhos para serem seguidos e sempre alguém quer dar um palpite em qual deles é melhor, mas o melhor de um pode ser o pior do outro. A vida é uma só para seguir o caminho de outrem, trilhe o seu próprio, crie sua história, seja você. Enxergue com os olhos do coração, com a cabeça nas nuvens e com os pés no chão. Permita-se fazer aquilo que quiser sem se preocupar. Permita-se amar, viver e ser feliz.

Raphaela Barreto
Agosto

Decorei

Decorei seu sorriso nos meus lábios, gravei seus braços nos meus. Sei de cor seu cabelo bagunçado e o olhar às vezes tímido, às vezes bravo, até travesso. Te estudei e não me formei ainda, uma caixinha de surpresas em constante transformação. Espero tua mão encontrar a minha, seus braços me envolverem e uma mordida de leve. Espero parar com toda a parafernália de quinta que geram nossas brigas. Espero. Espero o café ficar quente no fogão enquanto a gente se ama no sofá embaixo das cobertas enquanto passa um bom filme. Te espero de braços abertos, até com o coração se for preciso, mas venha e não demore, mas sim demore pra partir.

Raphaela Barreto
Julho

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

Brasil - Manifestações de Junho

O Brasil está finalmente acordando, despertando de um sono que durou tempo demais. Pessoas saindo nas ruas e exigindo seus direitos, lutando e mostrando que não é o governo quem manda, e sim o povo. O povo põe no poder, o povo tira. O povo escolhe. O povo descobre, reconhece, se mete. A nação desperta para os olhos do verdadeiro Brasil, corrupção, má distribuição de renda, hospitais e escolas públicas em decadência, pessoas passando fome, impostos altos, e nosso dinheiro? No bolso dos idiotas de terno. Temos mesmo que sair na rua empunhando cartazes e dizer o que pensamos, sem medo, o país é nosso e nele quem comanda somos nós. Chega de fingir que está tudo bem e passar a mão na cabeça dos que se fingem coitadinhos, brasileiros nascemos, brasileiros seremos. Verás que um filho teu não foge a luta.

Raphaela Barreto
Lembrando as manifestações. "O gigante acordou"
Junho.

quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

2014



Mais um ano chegou e que esse seja melhor que todos os outros. Que sejamos felizes, busquemos coisas boas, que conquistemos o que almejamos e que obtenhamos sucesso. Aprenderemos com novos erros e vamos crescer mais ainda. Que não desistamos de nada e que Deus abençoe este novo ano que se inicia. 2013 foi bom, 2014 pode ser melhor ainda. Um ótimo 2014 à todos!